domingo, 7 de setembro de 2008

O sol nasce nas mãos do

O sol nasce nas mãos do
poeta
iluminando os sorrisos
que crescem
nas árvores como
doces
cultivados pelo amor
e dedicação da arte agro-poética
alimento
de quem respira ar puro
e é regado pelas águas
correndo
solto
ao longo das margens
da imaginação
suspenso nas crinas de um cavalo
galopando
no peito da planície
ao encontro do poema.



Luís Palma, Debaixo do Bulcão – Poezine, n.º 20