domingo, 7 de setembro de 2008

Sem nome

Senhor juiz, eu roubei
um pão para matar a fome
a dois filhos que tenho.
Volveu o juiz então;
Quem rouba um pão é ladrão
E a Lei não tolera tal,
O réu farrapo humano, foi condenado a um ano
A prisão correccional.

Anos depois por destino,
Deu-lhe um filho assassino
E outro filho ladrão,
Por culpa da sociedade
Que trás burlões em liberdade
E prende quem rouba um pão.



J. Martins, “Verdadeiramente” Eu e os Meus Amigos

1 comentário:

ISA disse...

Eu também não tinha nome quando nasci. O pobre roubou pão para matar a fome aos filhos que também não tinham nome... porque se o tivesse não teriam fome...!
Parabéns!
Isabel Moreira